Qoya – A Rainha-Sacerdotisa Inca

Qoya

Qoya

6b168625f8ed018e5394d65d7299236bQoya (ou Coya) significa a contraparte do Inka, a Rainha Inka, uma sacerdotisa de sexto nível dentro da tradição

sagrada andina. Qoya  é uma mulher sagrada, uma rainha sacerdotisa. Qoya (em quechua/aymara – Inca) é uma Shakti (em sanscrito relativo a feminilidade sagrada, poder interior, sagrado feminino) de Alto nível.

Qoya é o nome dado para a principal esposa do Inca, a senhora soberana do divino imperador , então também uma esposa divina. Inka e Qoya é o casal real divino. 

O Coya e suas filhas tinham acesso à Virgem del Sol , viviam em casas feitas de barro e em uma área de muitos pastos. O Inca não podia ser visto por seus servos, porém Coya se ele pudesse ser visto e foi uma das únicas mulheres que podiam ver com o Inca. Ela foi escolhida entre as Virgens do Sol eram mulheres que tiveram alguma qualidade, em particular, e, assim, recebeu uma aula de educação menos avançada do que a dos homens, mas era a educação privilegiada

Qoya Raymi – Celebração do feminilidade sagrada, de sacerdotisas

Qoya Yachai – Saberes Ancestrais Sagrados Femininos pela Tradição Andina – Sabedoria do sagrado feminino. Devido ao tipo de Saber, ser um saber-amor-poder/vontade também pode ser chamado de Qoya Munay (munay é amor incondicional). Estes Saberes eram transmitidos pelas grandes sacerdotisas, de forma muito velada e se manteve oculto por milhares de anos. No atual momento evolucional, esta sendo revelado para que determinados objetivos espirituais sejam cumpridos de forma efetiva.

Linhagem Qoya: As sacerdotisas, atualmente Apus Femininas, Mama Simona, Waqay Willka (aka, Veronica), Mamita Putuy Kusi, Pitusiray, são da linhagem Qoya: Mama Runtu, Mama Anauwarqe, Cusi Qoyllur, Xanan Qori Kuka, Qoya Qori Kuka.

Desde 2012, após um grande trabalho (desde principalmente 2005) de ancoramento do divino feminino quando se deu importantíssimos trânsitos de vênus, pleiades com lua etc, abriu-se as portas para que o Sagrado Feminino possa vir a emergir no mundo com uma manifestação cada vez mais poderosa. Porém, alguns a tônica do feminino está mais ativa em determinados locais sagrados que também estão sendo mais dinamizados por pertencerem ao caminho espiritual desta nova era que se fixa mais no ocidente e hemisfério sul do planeta, completando o ciclo que se iniciou no hemisfério norte e no lado oeste. Tal processo oriente-ocidente já era difundido no oriente e isso que levou a muitos monges tibetanos, por exemplo, ao ocidente. Sendo assim, o Peru e também o Brasil, que ainda guardam um imenso conhecimento ancestral (trazido pelo antepassados dos Incas e Tupis), principalmente referente a polaridade feminina, vão começar a despontar pouco a pouco, começando. Outros países da América, principalmente do Mexico para o sul, serão os novos expoentes espirituais desta nova era que despontará pela reconexão e interação do princípio feminino.

Porém, este processo começa pelo Peru.

É um processo de empoderamento interior, com aceitação, a unificação e o poder magnético poderoso do receptivo, do amor incondicional, da união tem sido o domínio do verdadeiro feminino. O magnífico Apu supervisiona o Portão do vento no Ollantaytambo era uma vez que o pré-Inka Sacerdotisa Waqay Willka, venerada por sua capacidade de reunir os 7 aldeias do Vale Sagrado à beira da guerra, através da abertura, vulnerabilidade e poder unificador de suas lágrimas sagrados .

Pitusiray Apu era uma vez uma princesa Inka que não iria abandonar o seu amor para o low-nascido Llamaherder Sawasiray apesar da sua desaprovação pais. A história de seu amor incondicional (agora impregnada nas montanhas de pico gêmeas do Vale Sagrado dos Inkas) ainda está para o poder Taqe de amor que supera todos os obstáculos. O amor proibido do general Ollanta e Kusi Qollyur, filha de Pachacuti e Mama Anawarqe, e a devoção das pessoas da cidade que escondeu seu amor criança Ima Sumaq, ainda pode ser sentida nas ruas de Ollantaytambo hoje.

A linhagem de sacerdotisas de Xañan Qori Kuka que começaram a linhagem Qoya Qori Kuka, é dito ter descido à linhagem que se tornou a Mestiza Sacerdotisa Mama Simona, uma meia Inka / meia espanhol Sacerdotisa que no momento da morte estava imbuído na montanha Mama Simona. Como ela é a única Apu Feminina de 12 sagrada Apus supervisionar cidade Cuzco, e a montanha a partir do qual todos os 12 pode ser visto, lenda local conta que é Mama Simona que pode ativar e integrar o poder de todos os 12 Lord Apus de cidade de Cuzco.
Este grande despertar do feminino nos levou inexoravelmente a procurar a fonte do antigo poder feminino e sabedoria incorporada no “mito” Q’ero da cidade sagrada de Miskayani. Apesar de muito barulho e inúmeras expedições foram feitas para buscar “Paititi-o EL DORADO ou famosa” Cidade de Ouro Perdida dos Inkas”, que é a contraparte masculina para Miskayani, ela mesma permanece envolta em mistério.

Temos apenas as histórias Q’ero que os paqos mais poderosas de idade (o último dos quais foi Don Manuel Q’espi) foram ditas ter nascido de mães que vieram de Miskayani.

Em maio de 2014, MAMA SIMONA abriu sua MESA com a descoberta de um Mesa de 400 anos contendo três Khuyas que foram encontrados em seu altar principal. Desde então, as histórias da população local sobre o APUS feminino de Mama Simona, as montanhas Waqay Willka (vulgo, Veronica) Pitusiray, Phutuy Kusi e Anawarqe começaram a ressoar sobre as sacerdotisas humanas originais que, na sua morte, estavam cerimoniosamente imbuídas nas montanhas. agora levam seus nomes.

É por isso que, em Novembro de 2014  deu o primeiro grupo de cinco Q’ero Paqos femininas para Mama Simona Mountain para realizar uma cerimônia pedindo as portas do Miskayani para abrir e para a sabedoria feminina para retornar à Terra. Desde então, foi recebido um fluxo constante de mensagens a partir desta fonte, bem como práticas coletivas e cerimônias, juntamente com instruções de que a maior parte dessa sabedoria não pode ser trazido através de qualquer indivíduo, mas sim devem ser recolhidos por meio de uma coletiva, peças de um quebra-cabeça.

As praticas devem ser em círculos centrando nas próprias identidades sagradas, firmemente amarrados a Mãe Natureza através da Paqarina, Itu Apu, orientando Star, que trabalha com o conhecimento cura das Nustas de de Don Humberto Sonqo Q’espi e Dona Bernardina Apaza Flores , o Sistema de Energia Inka de Don Andres Espinoza, o 4º nível de Don Benito Qoriwaman e histórias de Miskayani dos filhos de Dom Mariano Apaza. Deve-se levar as Mesas e preparar uma oferta especial para dois Hywariska (despachos), criar e trazer consigo uma oferta muito pessoal para o seu Paqarina, Itu Apu, Estrela Guia e uma segunda oferta para a Qoyas & Ñust`as de Miskayani.

Miskayani (mis-kai-ya-nee) é a mítica cidade habitada por mulheres espirituais altamente evoluídos e extremamente belas, revelado em Q’ero mitologia. A contraparte feminina com o mito de Paititi.  

Miskayani é considerada uma cidade sagrada mística de sacerdotisas femininas altamente evoluídas. Como Shambhala dos tibetanos, diz-se que a cidade existe em algum lugar entre o plano da Terra e as dimensões espirituais mais elevadas, a profecia afirma que agora está se tornando mais acessível do que nunca ao nosso mundo.

“Os Q’ero dizem que somente os puros de coração podem entrar em Miskayani.”

Usando suas técnicas de se conectar com as Ñustas – as forças curativas da natureza, através dos Ñawis – (olhos místicos no corpo como chakras). Os princípios estão em Ayni – troca sagrada de Kausay – uma crença de que tudo na natureza é feito de energia viva e pode ser comunicado e aproveitado como remédio.

Uma prática corpo-mente abrirá, nutrirá e capacitará o corpo, intercalada com exercícios andinos para mover Kausay, liberar Hoocha – energia pesada e extrair energia Sami – leve / refinada. Para terminar, ha uma longa meditação ou jornada – Wakay, que é uma prática que nos leva de volta ao tempo limpando e limpando medos e bloqueios que são mantidos no subconsciente. A intenção é trazer clareza às intenções e encontrar um propósito.

Os desequilíbrios em nossas sociedades vêm acontecendo há séculos, mas é realmente prevalente agora, já que nossos aspectos imaturos de homens e mulheres têm governado. Agora não é apenas o tempo para o divino feminino se erguer, mas para todos nós encontrarmos um equilíbrio saudável de nossas características femininas e masculinas.

Miskayani era uma antiga comunidade  feminina altamente avançados – uma lenda transmitida pelos antigos Q’eros. Elas praticavam formas femininas e espirituais em todos os aspectos da vida, trazendo equilíbrio para o feminino e masculino.

Em Qechua ‘Miska ‘ refere-se ao primeiro broto mais tenro de uma planta recém-germinada. Miski é doce. Então Miskyani significa, um possuidor da qualidade daquela nova ternura. Citando o livro de E. Jenkins, onde Juan (um dos meus professores) explica: “A cidade de Miskayani poderia ser considerada como a contraparte feminina da cidade perdida de Shambala, porque se diz que ela contém o conhecimento espiritual feminino mais elevado. ‘

Miskayani eram altamente inteligentes e muito poderosas.

Ao  viajarmos nesta passagem de grande mudança em nosso planeta, o tempo da Taripay Pacha , os Q’eros  nos oferecem ferramentas antigas para lembrar nossa conexão com a natureza e viver a partir do coração de quem cada um de nós é. Trazendo-nos poder pessoal, equilíbrio e pertença!

O Tempo Taripay Pacha: Taripay significa Julgamento. Justiça. Para se encontrar com; se deparar com; para apanhar; para condenar; julgar. Indagar; investigar. Pacha significa mundo. Taripay Pacha Era do Encontro novamente. Nas profecias incas, quando a humanidade terá a chance de evoluir conscientemente em uma era de harmonia. Em Andean Prophecy esta palavra refere-se a uma nova era de ouro na experiência humana. Ele anuncia a aproximação do povo andino e a recriação de um novo e melhor Império Inca. Em Quechua diz que significa tempo para se encontrar . Desta vez é agora. Alternadamente traduzido como a idade de reencontro , encontro do universo ou encontro de si mesmo; refere-se a uma idade de ouro profetizada da experiência humana na qual nos encontramos mais uma vez como sendo um com o universo e, assim, recriamos o sonho do Império Inka de uma maneira nova e melhor .

O equivalente masculino dos Miskayani chama-se Paititi – uma cidade mística do sagrado masculino – que se diz estar repleta de riquezas de ouro. Muitos exploradores não despertos perderam suas vidas em expedições pelas selvas peruanas para encontrar esse lugar. Quando, na verdade, o ouro está em elevar a consciência dentro de nós mesmos, encontrando-se ombro a ombro e caminhando juntos por esse caminho.

TRILHA INCA ANTISUYOEm preparação para a Conferência de 2012 Paqo em Cuzco, o Qori Qocha (famoso lago poder onde Shanan Qori Kuka trouxe Pachacuti Inka para a sua 6ª iniciação nível) foi localizado por Juan Nunez e Ivan e abriu para a grande cerimônia pública. Desde aquela época a fêmea APUS no Peru ativou de forma surpreendente.  Juan e Ivan, muitos foram iniciadas no templo de Mama Anawarqe, Qoya de Pachacuti Inka.